Inktober 2016 (terceira semana)

Olá!

Hoje volto para mostrar os resultados da terceira semana do Inktober (quer ver a primeira e a segunda? Clica aqui e aqui).

Participar do Inktober está me gerando uma série de emoções, ele já está se encaminhando para o final e ainda não sei se vou me sentir aliviada ou com saudades. Fazer um desenho por dia tem suas vantagens, pois estamos sempre treinando e nos forçando a produzir mesmo nos dias que estamos “travados”; o lado ruim é que não tenho conseguido fazer desenhos muito elaborados… a maioria dos desenhos que tenho feito são, na verdade, rascunhos.

Em todo caso, vou fazer um balanço melhor na próxima postagem, que será a última sobre esse Inktober. Por ora, esses são os resultados da terceira semana:

scan0039.jpg

scan0040.jpg

scan0042.jpg

Esse é uma releitura de Trigal com corvos, de Vincent Van Gogh. Usei caneta Posca dourada no trigal, mas não ficou tão legal quanto eu achei que ficaria. A caneta azul também começou a falhar no céu… e, no geral, não gostei do resultado. Some-se a isso o fato de eu ser apaixonada por esse quadro e, apesar de saber que é só um rascunho no meu caderninho, fiquei bem desapontada com esse desenho.

scan0043.jpg

Desse, pelo contrário, gostei bastante. A ideia inicial era fazer o fundo todo azul, mas a caneta azul, que já estava falhando no desenho anterior, não ia melhorar nesse rs.

scan0044.jpg

scan0045.jpg

A ideia original para esse desenho era pintar todos semicírculos, como os primeiros, mas se eu fizesse isso, perderia o prazo do dia… então, mais um desenho que teve de se adaptar à necessidade XD

scan0046.jpg

Todos os desenhos dessa semana foram feitos no meu caderno de rascunhos (de folhas de papel Canson 90g/m² em tamanho A6) com canetas Stabilo point 88, Stabilo Pen 68, Staedtler Triplus Fineliner, Staedtler Pigment Line 0.8, Faber-Castell Grip Finepen 0,4 e Uni Posca com ponta pincel.

 

Logo mais trarei os desenhos da última semana e o encerramento do Inktober. Se quiser acompanhar o desafio em tempo real, eu posto os resultados todos os dias no Twitter do Vinho Tinta (segue lá ;D).

 

Um abraço e até mais,

 

 

Nani

 

 

 

Anúncios

Inktober 2016 (segunda semana)

Olá!

Hoje venho trazer mais resultados do Inktober 2016 (se você perdeu a primeira postagem, clica aqui). Estou feliz por estar conseguindo cumprir a meta de fazer um desenho por dia, embora nem sempre eu consiga fazer um desenho mais bem acabado, pois a frequência das postagens e o ritmo de alguns dias não permitem.  Mesmo assim, sigo firme no desafio 🙂

Estou morrendo de saudade de pintar com lápis de cor, mas, como os desenhos precisam ser com tinta, eu acabo deixando o lápis de cor para a próxima oportunidade… Talvez em novembro eu faça uma série de desenhos com lápis de cor, só para matar a vontade! Mas, por enquanto, voltemos ao Inktober.

É tão legal ver esses desafios coletivos dando certo, pois você vê várias pessoas se empenhando em um projeto e cada um dos seus “rolês” pela web rende um monte de ideias e inspirações. É como se todo mundo estivesse trabalhando junto, contribuindo como pode para criar algo interessante, e estou orgulhosa por estar conseguindo contribuir com a minha cota 🙂

Estes são os meus desenhos da segunda semana do Inktober:

scan0033.jpg

scan0034.jpg

(Esse foi o primeiro desenho que fiz nas duas páginas do meu caderninho, um rascunho inspirado no poema Ismália, de Alphonsus de Guimaraens)

scan0035

(Quem segue o Twitter do Vinho Tinta sabe que esse desenho foi feito dentro do ônibus em movimento. A experiência é interessante, quem nunca tentou devia tentar um dia ;D)

scan0032 - Copia.jpg

(Esse é uma releitura de uma pintura que gosto muito: O sono da razão produz monstros, de Francisco Goya)

scan0036.jpg

(Por alguma razão, esse foi o desenho que recebeu mais curtidas no Twitter do Vinho Tinta até agora. Vai ver as pessoas gostam de polvinhos multicoloridos rs.)

scan0037.jpg

scan0038.jpg

Os desenhos dessa segunda semana foram feitos no meu caderno de rascunhos (de folhas de papel Canson 90g/m² em tamanho A6) com canetas Stabilo point 88, Stabilo Pen 68, Staedtler Triplus Fineliner, Staedtler Pigment Line 0.8 e Faber-Castell Grip Finepen 0,4. O único desenho que não foi feito com canetas e nem no meu caderninho é a releitura da pintura do Goya, que foi feita em uma folha avulsa de papel Canson Montval, 300g/m², em tamanho A5, com nanquim Talens.

Por enquanto é isso! Em breve trago os desenhos da terceira semana.

Para quem quiser acompanhar meu Inktober em tempo real, é só seguir o Vinho Tinta no Twitter! E não se esqueça de comentar 😉

 

 

Um abraço e até mais,

 

 

Nani

 

Inktober 2016 (primeira semana)

Olá!

Se você costuma acompanhar redes sociais de ilustradores já deve ter notado que estamos em época de Inktober! Caso você esteja perdido, clica aqui para ver a explicação rápida e certeira da Kris. Além de explicar do que se trata, ela ainda traduziu para o português a lista oficial dos desafios (é tão bom saber que existe gente no Brasil que ainda se lembra de que aqui se fala português).

Apesar de o desafio ser originalmente dedicado ao nanquim, pelo que tenho observado, há uma abertura para outras tintas, o que é muito bom, pois me permite continuar treinando aquarela sem fugir do tema.

Decidi fazer os desenhos despretensiosamente, sem seguir a lista original, desenhando o que “dá na telha” naquele dia. É a primeira vez que participo do Inktober e estou me esforçando para fazer um desenho por dia, independente de como esse dia seja. Em alguns dias dá para caprichar um pouquinho mais, mas, nos dias mais corridos, mal dá para fazer uma rascunho rápido…  Acho que isso faz parte do desafio, né? 🙂

No final de cada semana vou fazer um resumão dos desenhos para você aqui no blog, mas se não tiver paciência para esperar, pode seguir o Vinho Tinta no Twitter, onde posto os resultados dia a dia 😉

E aqui estão os desenhos dessa primeira semana:Café - caneta nanquim staedtler.jpg

mulher com flores - color plus preto, guache Talens e posca.jpg

(Imagem de referência tirada dessa postagem: Moda da savana)

Forca - caneta nanquim staedtler.jpg

índia - nanquim staedtler, triplus fine line staedtler.jpg

Taj Mahal - Nanquim Talens, color plus amarelo.jpg

(Imagem de referência)

mulher dançando - caneta nanquim staedtler e bic..jpg

boca com maçã - caneta stabilo.jpg

mulher alvo caneta bic.jpg

A maior parte dos desenhos estão sendo feitos no meu caderno de rascunhos, que tem tamanho A6, mas alguns estão sendo feitos em folhas avulsas de papel Canson colorido 180g/m², que eu cortei em tamanho A5.

 

Por enquanto é isso o que tenho, mas na semana que vem eu voltarei com mais desenhos 😉

 

Bom Inktober para todos nós!

 

 

Até mais,

 

 

Nani

Sketchbook 1: Posso ver seu caderno?

Olá!

Conforme o pessoal que segue o Twitter do Vinho Tinta já sabia (se você ainda não segue, aproveita a deixa ;D), junto com julho, acabou também meu primeiro caderno de rascunhos!

Na verdade, esse não é primeiro sketchbook que eu tive, mas é primeiro decente. É o primeiro que me preocupei em procurar um tamanho que me agradasse (A5) , com capa dura, com uma folha boa (Canson 90g/m²)… e que me empenhei em utilizá-lo sempre. Farei uma postagem com um apanhado de outros caderninhos que vieram antes desse para você notar como esse é mais “cuidadinho”.

Alguns dos desenhos desse caderno você já conhece, pois andei postando por aqui ou lá no Twitter, mas aqui vai ele na íntegra:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nem todos os desenhos estão finalizados e nem todos são desenhos maravilhosos. Alguns são apenas testes e outros eu cheguei a fazer dentro do ônibus… porque caderno de rascunhos é isso mesmo. Se você ficar com medo de desenhar porque acha que não sabe fazer aquilo, ou que não vai ficar bom, é só se lembrar que aquele caderno é de RASCUNHOS e não de obras-primas que ficarão expostas no Louvre para-todo-sempre-amém.

Uma coisa que talvez trave um pouco as pessoas (pelo menos travava essa pessoa que vos escreve) é que quando os outros (Ah! O inferno são mesmo os outros!) começam a ver você andar com um caderno e a rabiscar aqui e ali… eles inevitavelmente pedem para ver. Não sei se acontece com todo mundo, mas eu me sentia na obrigação de fazer só desenhos lindos no meu caderno, pois as pessoas iam pedir para vê-lo, e eu não podia mostrar um monte de coisas tortas, mal coloridas… ou pior, que demonstrassem falta de criatividade! Afinal, na cabeça das pessoas, todo mundo que desenha é um artista, e artistas são poços inesgotáveis de criatividade!

Essa ideia de que precisamos criar uma obra de arte histórica por dia não faz bem. Fiquei anos sem desenhar por causa disso. Eu achava que se não fosse para ser um Van Gogh, então não valia a pena começar o desenho. Eu tinha vergonha das minhas pinturas, vergonha dos meus desenhos… porque eu não achava que eram bons.

Esse bloqueio de anos foi superado com a ajuda do meu namorado, que me falou uma verdade tão verdadeira que nunca mais esqueci e sempre me lembro quando essas ideias bestas começam a me vir à mente: “Você pode até não ser o Van Gogh, mas se não desenhar… nunca vai ser mesmo“.

É claro! Se queremos ser bons em algo, precisamos fazer, refazer, fazer de novo… até ficar bom o bastante! Estudar, treinar… colocar-se desafios… fazer coisas difíceis e que não sabemos ainda… senão  não aprenderemos!

Depois que me convenci disso, comecei a lidar melhor com o “posso ver seu caderno?”, mas também não foi da noite para o dia. Por um tempo eu ainda me sentia travada quando pegava o caderno, imaginando o que as pessoas iam pensar se vissem aquele desenho tão sem graça que eu tinha pensado em fazer. Cheguei até a tirar algumas folhas desse caderno das fotos aí em cima, simplesmente porque ficaram tortos, ou porque eu não achava que eram dignos de serem mostrados.

Mas acabei me dando conta de que eu estava voltando à mesma paranoia que havia me bloqueado por seis anos… e decidi que dessa vez ia ser diferente. Comecei a pensar: o caderno é meu e é de rascunhos, então eu vou fazer rascunhos nele! Eu posso tentar desenhos de observação que não vão dar certo, posso fazer desenhos de memória que vão ficar bem ruins, posso desenhar vinte vezes a mesma coisa, posso fazer tudo torto, posso pintar de cores que não combinam… posso jogar ele não chão e dançar lambada em cima, porque ele é meu! Os desenhos aqui não serão comercializados, então não tenho compromisso com nenhum cliente, apenas comigo mesma.

“Mas está uma porcaria este aqui, vou arrancar essa folha e fazer outro”. Caí nesse pensamento algumas vezes, mas hoje eu digo com toda a segurança: não tire as folhas do seu caderno de rascunhos. Realmente, quando parei de tirar as folhas do meu, vi como é interessante acompanhar a nossa evolução. Se você notar, nesse caderno das fotos acima, tem desenho sem finalizar, desenho torto, desenho que deu errado… mas eu garanto que é muito interessante olhar para esse caderno agora, terminado, e lembrar desses desenhos ruins. Se você arrancar as folhas, vai se esquecer dos desenhos ruins, mas se deixá-los lá, vai sempre topar com eles quando estiver folhando seu caderno, vai se lembrar dos erros que cometeu e não vai cometer de novo.

E ainda existe o outro lado. Normalmente quem trabalha com desenho tende a se comparar com outros que admira e ficar se achando um lixo humano, mas existem também aqueles que acham que são mitos na sua arte e ninguém é bom como eles. Para esses últimos, é bom ter alguns desenhos feios por perto, para lembrá-los de que eles também erram.

“Mas as pessoas vão ver esse desenho!”.

Só se você deixar. O caderno é seu, é uma ferramenta de estudo, não um portfólio. Se você não se sente confortável para mostrar seus desenhos para alguém: não mostre. Diga educadamente que se sente constrangido, pois são apenas rascunhos, ou pense em outra coisa para dizer, mas não mostre se não quiser mostrar. Algumas pessoas vão entender, outras vão insistir… mas você precisa se lembrar de que não está cometendo um crime. Você não é obrigado a fazer o que te deixa desconfortável.

Outra saída, um pouco menos radical socialmente, é você simplesmente dizer: sim. É a que adotei, mas exige um trabalho de desapego com o próprio ego, ou você vai acabar se travando na hora de desenhar. Esclareça que é um caderno de rascunhos, esteja seguro de suas qualidades, ciente de suas limitações e deixe que a pessoa tire as conclusões que quiser. Se ela ficar desapontada com seu caderno, é um problema dela, que criou expectativas baseadas em sabe-se lá o que. Você não é culpado se a pessoa esperava por uma Monalisa em cada página e você só pôde oferecer uns poucos esboços tortos.

Seu caderno de desenhos é algo muito pessoal, e é uma decisão sua compartilhá-lo ou não com os outros. Ninguém é obrigado é mostrá-lo, mas se decidir mostrar, lembre-se de que você é avaliado (numa situação de trabalho, por exemplo) por seu portfólio, não por seus rascunhos.  Não tenha medo de rabiscar e nem vergonha dos seus rabiscos, eles são parte de um processo de aprendizagem e de construção de repertório. Talvez as pessoas não entendam isso, mas o que importa é que você entenda, para poder manter uma boa relação com seu amigo de sempre, o sketchbook.

 

Você usa sketchbook? Como é sua relação com ele? Conta pra gente nos comentários!

Um abraço e até mais,

 

Nani

 

 

Meus materiais 3: Lápis de cor aquarelável Koh-I-Noor Mondeluz (parte II)

Olá!

Faz um tempinho que falei sobre os lápis de cor aquareláveis Mondeluz, da Koh-I-Noor (você pode ler sobre isso aqui); na ocasião, eu comentei que tinha gostado bastante desses lápis, mas o efeito dele seco me incomodava e que faria uma postagem para explicar isso melhor. Então é sobre esse uso particular dos lápis aquareláveis que quero tratar hoje.

A motivação para escrever sobre esse assunto veio do fato de eu ler muitas resenhas falando sobre o quanto esses lápis eram melhores que os lápis de minas permanentes, o que me levou a escolher os primeiros e a uma enorme frustração (que já foi superada) com esse material.

Já comentei aqui no blog que é um hábito meu pesquisar bastante antes de comprar materiais artísticos, pois não encontro esses materiais na minha cidade e preciso apelar para as lojas on-line, o que gera alguns problemas, uma vez que não posso pegar o material na mão para ver, não posso riscar para testar e as cores no monitor do computador não são exatamente as mesmas do produto… é sempre uma compra às cegas. Soma-se a isso o fato de que esses materiais são caros e eu não estou podendo me dar o luxo de comprar e testar por mim mesma toda a variedade de coisas que me deixam em dúvida. Felizmente tem gente legal no mundo que compra e compartilha a experiência para que gente como eu possa ter alguma noção do que esperar de cada material e ter mais chances de acertar na escolha.

Li em vários lugares sobre o como os lápis aquareláveis eram muito macios e pigmentados. De fato são mesmo! Vi também muitas resenhas mostrando desenhos lindos feitos com lápis aquareláveis usados como se fossem lápis permanentes, ou seja, simplesmente pintando no papel seco e sem molhar depois. E não foram poucos desenhos lindos que vi feitos dessa maneira!

Depois de ver tantos elogios e recomendações aos lápis aquareláveis, cheguei à conclusão de que era melhor comprar esse tipo de lápis de cor, já que eu poderia usá-los normalmente como lápis permanentes e aquarelar quando quisesse. Na minha cabeça era comprar dois materiais pelo preço de um! Um belo negócio!

Como essas ideias me vieram na época do meu aniversário, acabei ganhando os lápis ao invés de precisar comprar (♥)

Meu testes úmidos com os lápis foram muito satisfatórios. Fiquei encantada! Nem sabia direito como usar esses lápis… mas fui pegando o jeito… eles se dissolvem completamente e têm cores lindas. O problema veio mesmo quando eu tentei usar a outra faceta dele: como lápis permanente.

Fiz um desenho para exemplificar meu problema com esse material (o papel usado foi o Canson 90g/m² do meu caderno de rascunhos).

CAM00890.jpg

Se você abrir a foto vai conseguir perceber que onde há poucas camadas de cor, como no balão da garota, não há grandes problemas, mas onde foi preciso misturar cores, ou mesmo passar uma camada mais generosa da mesma cor, como no chapéu dela, por exemplo, fica uma textura granulada. As cores não se misturam. Parece que uma cor “arranca” a outra. A fusão é muito difícil. Se notarem, no laço e no cabelo na menina, que eu usei apenas duas cores,o acabamento é aceitável (embora bem abaixo do que eu esperava), mas as três cores do chapéu já foram demais para os lápis. Mesmo nos lugares em que usei uma cor só o acabamento não foi dos melhores, como no sapato da menina. Note como na transição do marrom para o branco (do próprio papel) também deixa um granulado estranho.

Fiz outros desenhos com esses lápis que já apareceram aqui no blog, como a minha gata Capitu (aqui), os peixinhos do Projeto Ilustra (aqui) e uma girafa rupestre da minha lista de desafios (aqui). Em todos eles notei esse problema. Além disso, esses lápis deixam uma textura “grossa” e opaca no desenho, o que não dá para perceber na foto, mas é bem evidente ao vivo.

Não quero dizer com isso que os lápis sãos ruins, pelo contrário, são excelentes e recomendo. Entretanto, só compre se for utilizar seu efeito de aquarela, ou se não se importar com esses pontinhos de cor mal espalhados no papel. Para quem quiser pintar com o lápis seco, é melhor comprar lápis permanentes. Eles são concebidos para pinturas secas, então faz sentido que se comportem melhor mesmo. Não acho que quem diz que só usa lápis aquarelável (inclusive para técnicas secas) esteja mentindo, talvez o problema seja com a marca… talvez essa marca não se comporte tão bem quanto outras… não sei.

Enfim, minha ideia nessa postagem era mostrar uma experiência diferente das que já li sobre esse material; assim, você que está lendo e pensando se compensa comprar lápis aquarelável para usar como permanente pode pensar melhor. Acho que se alguém tivesse me dito que o efeito desses lápis secos era assim, eu teria optado por lápis permanentes.

Mas…como há males que vem para bem… tenho gostado muito de explorar esse efeito de aquarela que eles proporcionam. Como eu disse, para quem quer aquarelar, esses lápis são ótimos 😉

 

 

 

 

Não esquece de dizer o que achou da postagem nos comentário! Especialmente você que usa lápis aquareláveis em técnicas secas e dá certo. Divida conosco o segredo dessa mágica! rs

 

 

Até mais,

 

 

Nani

 

 

 

Projeto Ilustra (junho)

Mais um final de mês, mais um desenho para o Projeto Ilustra!

Neste mês eu demorei para descobrir qual era o tema… descobri só na reta final, o que fez esse desafio juntar com outros compromissos de fim de semestre. Cheguei a pensar que não fosse dar para entregar no dia, mas depois eu lembrei que esse projeto é um desafio, e desafios não recebem esse nome porque são fáceis. Faz parte do desafio driblar dificuldades “internas” (relacionadas ao próprio desenho, como desenhar um elemento que não te deixe tão confortável) e “externas” (como gerenciar seu tempo para conseguir cumprir o desafio). Além disso, o erro foi meu. Como eu não consegui encontrar o tema nas redes sociais do pessoal do Projeto, eu deveria ter perguntado.

Enfim… aos 45 do segundo tempo, eu descobri que o tema deste mês era vídeo-game. Confesso que não me animei de primeira. Faz muito tempo que não jogo. Já até tentei jogar com meu irmão, com uns amigos… acho divertido na hora, mas não é algo que eu fique esperando para fazer. Vivo bem sem. (Muita gente deve estar me achando horrível agora, mas eu juro que sou gente boa! rs)

Apesar de não ser grande entusiasta dos vídeo-games hoje, eles fizeram parte da minha infância e lembro com muito carinho de momentos que passei com meu irmão, meu primo e o Super Nintendo. Houve mais vídeo-games na minha vida, mas eu sempre me lembro de ir na casa do meu primo e jogar Super Mário World, Top Gear, Super Metroid (eu tinha muito medo desse jogo, devia ser a música sinistra), Aladdin, Street Fighter, Mortal Kombat (esses dois últimos minha mãe não gostava que meu irmão e eu jogássemos, porque ela achava muito violento), entre outros. Lembro de assoprar embaixo das fitas para elas funcionarem… de sentar no chão ou arrastar o sofá, porque o fio do controle não era comprido o bastante… de que alguém sempre tropeçava nesses fios e mandava tudo para o chão… de todos reunidos para jogar e poder jogar apenas dois por vez (no mundo pré-internet que gente com quase trinta anos consegue se lembrar), de ser a única menina da sala… da minha tia fazendo pipoca para todo mundo e depois mandando todo mundo voltar pra casa porque já era tarde…

Então, ao invés de desenhar algo baseado em algum jogo, decidi retratar essa nostalgia pelo Super-Nintendo nesse desafio. Eu ia fazer um desenho mais realista em grafite, mas isso faria eu perder o prazo do desafio, então sacrifiquei a ideia inicial e fiz uma versão mais “engraçadinha” totalmente em caneta Stabilo Point 88, no meu caderno de rascunhos, (que é feito em papel Canson 90g/m² no tamanho A5). O resultado foi esse aqui:

 

super nintendo.jpg

No final, o tema que nem tinha me animado de início, fez com que eu recuperasse tantas memórias da minha infância! Fui dormir feliz no dia que fiz esse desenho 🙂

Até hoje eu acho que o Super Nintendo foi o melhor vídeo-game de todos os tempos.

Mas pensando bem… boa mesmo foi minha infância. Só posso agradecer a todos que fizeram parte dela 🙂

 

 

Você também tem um amor incondicional por algum vídeo-game? Conta nos comentários! Não deixe eu me perder sozinha nessa nostalgia toda 🙂

 

Até mais,

 

 

Nani

Lista de desafios (desafio 11): girafa rupestre e respeito ao material

Olá!

Hoje trago o resultado de mais um desafio daquela lista que você já conhece (caso esteja chegando agora no Vinho Tinta, pode entender melhor clicando aqui). Dessa vez o desenho sorteado foi uma girafa e o estilo foi o rupestre. Mais uma vez achei que o destino facilitou minha vida, pois o desenho e o estilo sorteados combinam.

Para tornar o exercício mais interessante, fiz uma pesquisa rápida de referências, olhei algumas figuras e tentei desenhar de memória, sem consultar nenhuma referência durante o desenho.

Já comentei que não gosto de efeito do lápis de cor aquarelável sem aquarelar, mas dessa vez resolvi usar a textura “pastosa” com pontinhos de cor que não se misturam a meu favor, para criar uma pedra interessante que serviria de “tela” para minha girafa.

O desenho foi feito no meu caderno de rascunhos, que tem folhas tamanho A5 de papel Canson 90g/m². Não utilizei lápis grafite para esboço nem borracha, foi tudo feito com os lápis de cor aquareláveis Mondeluz, da Koh-I-Noor (já falei deles aqui). O resultado foi esse:

girafa rupestre - lápis de cor Koh-i-noor.jpg

Sou apaixonada por esse tom de marrom avermelhado mais à esquerda, por isso usei na sombra da pedra e no desenho da girafa. Como eu já não estava usando referência (pelo menos não diretamente), também me permiti utilizar umas cores fortes e menos realistas, como esse amarelo que predomina no lado direito.

Você pode perceber, especialmente nas partes em que precisei sobrepor mais cores, como a textura dos lápis fica granulada. É desse efeito que não gosto. Mas como o acabamento desse desenho era mais rústico, achei que funcionou. É por isso que é tão importante não desistir de um material só porque teve uma experiência ruim. Às vezes a culpa não é do material, mas da nossa falta de conhecimento sobre ele. Às vezes esperamos um efeito, mas o material nos dá outro… e não devemos odiá-lo por isso, mas guardar essa experiência e aprender com ela. Não somos obrigados a gostar de todos os materiais, mas é importante conhecermos bem suas características; assim, saberemos como tirar o melhor de cada material em cada situação e ampliaremos nossas possibilidades 🙂

Esse foi o primeiro desenho que fiz com esses lápis sem aquarelar que gostei do resultado. No início eu queria que se comportassem como lápis de cor permanentes que viravam aquarela magicamente só quando eu molhasse. Eles não são assim, a mina deles é diferente da dos lápis permanentes e não adianta querer que se comportem como algo que não são. A questão é que isso não é ruim, não é um defeito dos lápis, é a característica deles. Se eu quiser degradês e sobreposições suaves, devo trocar de material, pois esse entrega uma textura granulada, que pode ser útil em outros momentos.

Eu já sabia da importância de conhecer e de respeitar cada material, mas esse desafio veio para me lembrar disso.

 

Um abraço e até mais 🙂

 

Nani

 

 

Desenhe com qualquer coisa (Cheap Art Supply Challenge)

Existe um desafio correndo a internet que talvez você já tenha visto: o desafio do material artístico barato (ou Cheap Art Supply Challenge, já que esse desafio começou em territórios gringos). É um desafio bastante simples, basta você desenhar o que normalmente desenha, mas utilizando materiais baratos e fáceis de encontrar.

Decidi participar desse desafio, pois ele me dava oportunidade para escrever sobre um assunto que tenho vontade de tratar desde quando comecei esse blog: você não precisa de muito para desenhar.

Antes de começar, quero mostrar o desenho que fiz para o desafio e os materiais que utilizei: lápis grafite comum, uma caneta borracha comum, uma régua mais comum ainda e uns lápis de cor escolares que tenho aqui. Fiz o desenho no meu caderno de rascunhos, que tem folhas de papel Canson 90 g/m² em tamanho A5.CAM01052.jpg

A maioria dos lápis são da linha escolar da Faber-Castell, que podem ser encontrados em qualquer papelaria. Depois da minha resolução de investir em materiais de melhor qualidade, eu deixei de usar esses lápis, mas ainda os mantenho por perto, especialmente porque minhas gatas gostam de ficar pegando minhas coisas enquanto desenho. Eu gosto da companhia delas, mas não posso deixar elas estragarem meus materiais, então eu dou algum lápis que não uso mais para elas mordem enquanto eu uso outros. Olha o estado que elas deixam os lápis, veja se tem condições de eu deixar elas pegarem o que quiserem:

CAM01042.jpg

Mas voltando à questão que importa aqui, eu vejo muitos vídeos, muitas resenhas de materiais, muitos tutoriais, leio bastante sobre esse tipo de assunto, especialmente quando pretendo comprar algo que ainda não conheço, e já vi tanta aberração! Uma vez vi um vídeo de uma menina que estava falando sobre lápis de cor e ela indicava os da Prismacolor. Até aí, tudo bem, até eu indico os da Prismacolor, eles têm as cores de lápis de cor mais lindas  que já vi, mas para causar falar que os da Prismacolor eram bons, ela pegou aqueles lápis comuns que encontramos na papelaria da esquina e quebrou! Falou que não prestavam para nada e quebrou os lápis! Qual a intenção desse ser além de causar  eu não sei. Achei um desrespeito muito grande.

Não vou dizer quem foi, porque é um canal grande e é possível que você tenha visto; além disso, acho que a garota só fez isso porque pensou que o vídeo ficaria mais divertido (sei lá o que passa na cabeça dessas pessoas) e ela chegou a fazer outros vídeos, depois, sobre materiais bons e baratos. Sem contar que esse foi um exemplo que me doeu, mas ela não é a única que tratou mal os materiais mais baratos e não merece levar sozinha toda a culpa.

O que importa e que me doeu foi a falta de respeito com o material. Eu também tenho um caldeirãozinho cheio de lápis escolares que não uso mais e que deixo minhas gatas morderem, mas se alguém me perguntar, vou dizer que é possível fazer coisas lindas com eles. Eu sou a favor da máxima de que desenhista que é desenhista, desenha até com o dedo.

Não estou dizendo que bons materiais não influenciam no resultado, pois influenciam muito, o que estou dizendo é que você não deve desistir de desenhar porque só tem um lápis grafite de qualidade duvidosa e uma borracha ainda mais suspeita. Detesto gente melindrosa, que para fazer uma coisa precisa de todo um aparato e uma conjunção astral perfeita. Arrume um jeito, não uma desculpa! Qualquer coisa que risque serve para desenhar! Até um graveto! Você pode desenhar na terra com ele e fazer algo maravilhoso. O que importa é seu empenho, seu talento e sua criatividade. Mas você não precisa acreditar em mim, digite Cheap Art Supply Challenge nas suas redes sociais e tire suas próprias conclusões.

É evidente que uma aquarela de qualidade inferior não vai te oferecer a transparência que você deseja (não adianta, não vai), os lápis de cor mais comuns não são feitos com os mesmos pigmentos que os profissionais, então não terão a mesma cor, os papeis de gramatura mais baixa também não oferecerão a mesma textura e, especialmente, nenhum desses materiais mais baratos vai te oferecer muita resistência ao tempo (eles normalmente amarelam ou desbotam com o passar dos anos e não há nada que você possa fazer). Mas você precisa desenhar apesar disso! Se sua intenção é se expressar artisticamente, a limitação dos materiais deve ser algo a ser contornado e não uma barreira intransponível. Precisamos aprender a entender e a respeitar cada material. Quando entendemos suas características, somos capazes de utilizá-las a nosso favor e evitar resultados desagradáveis.

Para quem está aprendendo a desenhar ou que desenha apenas por hobby, não vejo razão para gastar mais de vinte reais em um (pois é, UM) lápis 6B da Caran d’Ache, sendo que, no caso do aprendiz, ele ainda precisa resolver uma série de questões mais urgentes (como luz, sombra e proporções) e, no caso do hobbysta, a diferença pode não valer o investimento (a não ser que a pessoa tenha dinheiro o bastante para não sentir o peso no bolso, mas aí a conversa já é outra).

Materiais de qualidade profissional são difíceis de encontrar, pois a maioria é importada, então não é qualquer estabelecimento que os oferece; além disso, são muito caros. Desenhistas profissionais precisam recorrer a esses materiais por várias razões, uma delas é o desejo que se tem, depois de esgotar as possibilidades de um material mais simples, de explorar materiais com mais qualidade, mais cor, mais maciez… mais textura… Mas note que esses desenhistas, normalmente, fazem isso há anos, e aqueles problemas básicos de proporção, perspectiva, luz e sombra já foram superados, então eles já estão na fase de se dedicarem às texturas e às cores mais ricas, o que só podem conseguir com materiais mais nobres. Outro motivo que leva os desenhista profissionais a, invariavelmente, precisarem de materiais mais caros é a comercialização de originais. Quando você faz um desenho para vender, é preciso que esse desenho atenda a um padrão de qualidade. A pessoa que paga por um desenho quer, pelo menos, que ele dure, e um material mais simples não vai oferecer essa durabilidade (como eu disse, os papéis costumam amarelar e as cores costumam desaparecer com o tempo. Aliás, desconfie de anúncios de desenhos muito baratos, um bom trabalho exige anos de dedicação do desenhista e bons materiais, isso acaba afetando no preço).

Se você pretende comercializar seus desenhos, assegure-se de estar utilizando bons materiais, não seria justo com seu cliente se você fizesse de outra forma. Entretanto, nos tempos modernos nem tudo é assim tão rígido, pois se você comercializar seus trabalhos apenas em meio digital, o uso de materiais duráveis não será imprescindível, uma vez que é possível editar seu trabalho (caso as cores careçam de mais intensidade, por exemplo) e, no meio digital, não existe a possibilidade de o seu desenho mudar com o tempo.

Antes de terminar essa postagem, eu gostaria de aproveitar para mostrar alguns desenhos da época em que voltei a desenhar e que eu não tinha mais materiais de desenho em casa. Tudo o que eu tinha era um lápis 2B da Faber-Castell, desses que a gente usa para escrever, um cotoco de 6B da CIS, uma borracha comum e umas folhas de A4 Chamex 75g/m² (aqueles que a gente usa para impressão e que amassam à toa). Eu só tinha materiais baratos e de fácil acesso, mas eu não podia deixar a vontade de voltar a desenhar passar.  É isso que estou tentando incentivar aqui: não deixe de desenhar porque você não tem algum material. Improvise! A criatividade já vai começar logo no uso dos materiais, e não é exatamente esse o espírito da arte?

Os desenhos abaixo são dessa época de recomeço:

Salvador Dali - grafite 6B.jpg

Simone de Beauvoir - grafite 6B.jpg

Vênus de Milo - grafite 2B.jpg

Thiago (cubismo) - grafite 2B.jpg

Eu gosto de todos esses desenhos. Não são os meus melhores (não pelos materiais, mas porque eu tinha ficado muito tempo sem pegar em um lápis), apesar disso, fiquei satisfeita com eles e me senti confiante para ir retomando o desenho.

Um dos desenhos que mais gosto também foi feito com o mesmo papel ruim e lápis escolares que hoje minhas gatas mordem. É um retrato do Nelson Mandela, feito no A4 Chamex 75g/m² e com os lápis mordidos do caldeirãozinho que mostrei no início da postagem:

Nelson Mandela - lápis de cor.jpg

De todos os retratos que eu já fiz na vida esse é um dos que eu mais gosto, não apenas por ser de uma pessoa que dispensa comentários, mas pelo desenho mesmo. Achei que foi um dos melhores que já fiz, ficou com as proporções boas, com as cores bem realistas, com volume, expressão… gosto muito dele. E olha só: feito com o que eu tinha na hora! Não comprei nenhum material especial para fazê-lo. Acho que isso prova mais uma vez que é possível fazer um desenho do qual se orgulhe com muito pouco.

Espero, verdadeiramente, que essa postagem possa ter acendido em alguém aquela vontade de desenhar, independente dos materiais disponíveis. Aquela certeza de que o realmente importante é o seu desenho, a marca que você quer deixar no mundo, e não o que usou para criar essa marca.

Não esquece de comentar sobre suas experiências com materiais mais simples e, se tiver participado do desafio do material barato, aproveite para deixar o link do seu desenho!

Um abraço e até mais,

 

Nani

 

Projeto Ilustra (abril)

Último dia do mês é dia de Projeto Ilustra!

Hoje a postagem vai ser curtinha, apenas para mostrar o resultado do desafio desse mês, que foi desenhar algo com o tema fundo do mar. Gostei muito desse tema, pois já fazia um tempo que eu estava com vontade de desenhar peixes (o fundo do mar abriga umas criaturas de cores e formas muito bonitas, não é?) e essa foi a deixa!

Simplesmente digitei “fundo do mar” no Pinterest e fiquei me maravilhando com o colorido vivo dos peixes. No final, um par de peixinhos amarelos se escondendo ganhou meu coração (você pode ver a imagem que utilizei como referência aqui).

Para esse desenho utilizei meu caderno de rascunhos, cujas folhas são de papel Canson 90g/m² (tamanho A5), lápis de cor aquareláveis Koh-I-Noor Hardtmuth Mondeluz e caneta gel branca Uni-Ball Signo. O resultado foi este:

peixes amarelos - lápis aquarelável koh-i-noor.jpg

Apesar de os lápis serem aquareláveis, utilizei como se eles fossem permanentes. Não vou falar muito sobre usar lápis aquareláveis sem aquarelar agora, pois estou escrevendo uma postagem só para isso, para mostrar tudo certinho, mas não gostei do resultado. Não pelo desenho em si, mas porque a pintura ficou granulada, as cores não se misturaram bem… definitivamente esses lápis não foram feitos para isso (embora aquarelando eles sejam perfeitos. Nessa postagem você pode ver como as cores se comportam bem em contato com a água).

Espero que tenha gostado!

Está participando do Projeto Ilustra também? Posta o link do seu fundo do mar nos comentários para a gente ver!

Aproveita e segue lá o Twitter do Vinho Tinta 😉

Até mais,

 

Nani

Lista de desafios (desafio 10): nada em carvão

Hoje trago o resultado de mais um desafio da minha lista (você pode ler mais sobre esse projeto aqui). Conforme tinha anunciado lá no Twitter do Vinho Tinta, o desafio sorteado foi desenhar o nada em carvão.

Para variar, quebrei bastante a cabeça, mas minha primeira ideia foi fazer um olhar vazio. Mudei de ideia e decidi fazer alguém se olhando no espelho e depois eu pensaria em como fazer esse espelho, talvez sem reflexo. Voltei para a ideia original e decidi fazer um olhar vazado, sem olhos. O resultado foi o seguinte:

desafio 5  - nada - carvão.jpg

Os olhos vazados são uma coisa que acho muito interessante e pretendo explorar mais em meus desenhos, assim como rostos sem face. Acho isso extremamente assustador. Penso que deve ter a ver com essa ideia de que os olhos são a janela da alma, então alguém sem olhos ou não teria alma ou teria algo a esconder… seria uma pessoa misteriosa e de um mistério que não inspira boas coisas. Também quis dar um efeito “infinito” nesse desenho, como se a personagem estivessem caindo em algo sem fim, para o desenho ganhar um ar “transcendente”, por isso essas linhas no fundo.

Esse desenho eu fiz no meu caderno da Canson. Ele tem tamanho A5 e folhas de 90g/m² (ele ainda vai ganhar uma postagem na tag de materiais). Ao invés de usar aqueles bastõezinhos de carvão, utilizei apenas um lápis carvão da Koh-I-Noor Hardtmuth, pois eu queria um desenho rápido (que parecesse mesmo um rascunho) e com o contraste bem forte entre o preto e branco (sem muitas nuances de cinza). Meus bastões de carvão são bem pretos, mas o lápis é mais, daí a escolha.

Finalizei com um verniz fixador fosco da Acrilex. Tenho meus problemas com verniz (prometo que falo melhor sobre isso em uma postagem também), mas nesse caso não teve jeito. Como manter um desenho feito em carvão em um caderno que fica comigo para lá e para cá sem manchar? Os desenhos em grafite já mancham muito (contra cada fibra do meu ser, começo a considerar passar verniz neles também)… com desenhos em carvão não tem conversa: terminou o desenho, antes de respirar perto deles, é preciso envernizar.

Como referência para esse desafio, utilizei essa foto:

um olhar do paraíso.jpg

É a cena de um filme chamado Um olhar do paraíso. Na verdade, não assisti a esse filme (Quem já assistiu? Recomenda?), apenas vi essa imagem enquanto vagava pela internet e achei que serviria perfeitamente aos meus propósitos. Acabei aproveitando até a textura do chão para fazer aquele efeito de queda no infinito, que de início eu ia fazer com uma espiral, mas achei essas formas retas mais interessantes.

Por enquanto é só isso 😉

Assim que sortear mais um desafio, eu aviso la no Twitter do Vinho Tinta (aproveita pra seguir ;)).

 

Até mais,

 

 

Nani